Como escolher as melhores fontes de receita de um negócio digital?

O preço de um produto ou serviço é uma das decisões mais complexas para uma empresa. Muitas dúvidas sobre o valor mínimo ou máximo que um cliente está disposto a pagar por um produto ou serviço em muitas empresas. Essa resposta (e seus lucros) é o que mantém seu negócio funcionando.

Por isso, é necessário desenvolver estratégias de geração de renda para que seu negócio se mantenha estável por muito tempo. Os fluxos de receita também são uma ótima maneira de definir se sua empresa continuará operando.

Existem várias opções de fluxos de receita, abrindo a possibilidade de implementação de diferentes estratégias de negócios, que será totalmente de acordo com cada perfil de cliente atendido, podendo assim ser boas fontes de receitas, ou não, caso o cliente não se adapte com o estilo da empresa.

Para entender melhor como os modelos de negócios e os fluxos de receita são estruturados, recomendo que você faça um Cursos Online Grátis da área financeira.

Dito isso, se aplicado corretamente, pode ser muito benéfico ter vários tipos de fluxos de receita para o seu negócio digital. Neste post, vamos lhe passar algumas dicas de fluxos de receita geradores de lucro e vamos destacar os modelos de receita que as startups usam com mais frequência ao vender seus produtos e serviços

Vamos lá?

Clique e saiba mais +

1. Vendas de produtos complementares

Segundo os Cursos Online Grátis da área das vendas uma ótima maneira de gerar renda para um negócio é vender produtos ou até mesmo serviços que se adequem com o nicho do seu público. Você tem que levar em conta que neste momento você também precisa fornecer valor.

Isso porque muitas empresas entenderam que para atrair o consumidor, é preciso fornecer a ele o que ele realmente deseja. Portanto, apenas vender para seus clientes não é suficiente.

A venda de um produto pode ser uma enorme vantagem na geração de outras vendas e, portanto, pode ser uma fonte de renda. Por exemplo, oferecer benefícios extras ou promoções para produtos já adquiridos pode ajudá-lo a obter bons lucros para sua empresa.

2. Assinatura mensal ou anual

O principal objetivo desse modelo é fornecer produtos e serviços a clientes que possam efetivamente pagar pelo produto ou serviço mensalmente ou mesmo anualmente. Nesse modelo, fluxos de receita recorrentes podem ser atraídos. Um exemplo é o software como serviço (SaaS), que fornece as devidas soluções de software por meio de assinatura.

Por exemplo, um CRM online (Pipedrive) é um bom exemplo de SaaS que cobra apenas uma mensalidade para usar a ferramenta. O desafio para a empresa fornecedora é aumentar a base de usuários, evitando assim o cancelamento, crescer o produto sem perder sua essência e ter bom desempenho, otimizar custos com servidores.

3. Anúncios

A publicidade gera receita de publicidade para determinados produtos, serviços ou marcas. Esses anúncios podem gerar receita dentro das mídias como TV, jornais, blogs, sites, aplicativos, entre outros. Por exemplo, o Google AdSense permite que cada clique em um anúncio seja um gerador de receita.

O AdSense é uma das ferramentas de publicidade mais usadas atualmente. Por meio da publicidade, as empresas que fazem negócios na web podem gerar receita promovendo produtos ou serviços de terceiros por conta própria. Use também sua própria solução de gerenciamento de anúncios e ganhe mais por clique.

Esse é um dos modelos mais comuns para startups atualmente, o chamado modelo do Facebook, onde o serviço é gratuito e a receita vem de cliques em anúncios (e vendas de dados). Isso é algo ótimo para os clientes, porém não para as startups, a menos que você possa obter uma enorme base de usuários para pagar suas contas.

4. Licenciamento

Outra forma de gerar receita e fidelizar clientes dentro do modelo de licenciamento. Assim, você terá um modelo de assinatura, por meio do licenciamento, também pode ser gerada receita recorrente. Esse tipo de fluxo de receita é muito comum dentro de serviços com sistemas operacionais, fotos ou mídias diversas que exigem licença para usá-los.

A beleza desse modelo é que você não está vendendo o produto ou serviço corretamente, mas sim vendendo seu uso. O produto ou serviço em questão jamais irá pertencer inteiramente ao comprador, mas sim à pessoa que o produziu.

5. Venda por Uso

Por fim, as vendas por uso são uma excelente forma de fluxo de receita em que os clientes pagam pelo uso dos serviços que uma empresa oferece. Esse modelo envolve dar aos clientes mais opções de uso do que o acordado contratualmente e, finalmente, pagar o valor total (ou adicional) pelo uso do serviço.

Por exemplo, em um plano de celular ou pacote de internet, existe um limite de uso, e quando esse limite é ultrapassado, abrem-se as opções para que as pessoas consigam continuar usando o devido serviço, assim quanto mais você usa, mais você paga mais isso.

Um bom exemplo desse tipo de cobrança são os serviços da AWS (hospedados pela Amazon), que cobram dos clientes com base na quantidade e nos recursos utilizados. Se não for usado por um mês, não haverá a devida cobrança. Este é um modelo que oferece aos clientes um alto grau de transparência e permite planejar com base no custo, que se torna previsível e escalável.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Certificado Cursos Online, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre cursos, educação e diversos segmentos.

Especialista em Marketing Digital

Marketing digital são ações de comunicação que as empresas podem utilizar por meio da internet, da telefonia celular e outros meios digitais, para assim divulgar e comercializar seus produtos ou serviços, conquistando novos clientes e melhorando a sua rede de relacionamentos.

Separamos especialmente para você

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

10 + oito =

Go up