SQL: O que é e como identificá-los?

A Linguagem de Consulta Estruturada, comumente conhecida como SQL (Structured Query Language), é uma linguagem de programação padrão para bancos de dados relacionais. 

Por ser mais antigo do que muitos outros tipos de código, é a linguagem de banco de dados mais amplamente implementada.

Essa linguagem de programação pode ser aplicada nos mais diferentes projetos de estruturação de programas, mas também está relacionado ao business intelligence, ou inteligência de negócios.

Isso se deve ao fato de que há as ferramentas e técnicas que permitem a uma organização que produz equipamentos para proteção radiológica reunir fatos e informações sobre o desempenho quanto aos processos e operações de negócios. 

Mais ainda, é uma linguagem bastante versátil, podendo ser utilizada para os mais diferentes objetivos e segmentos de atuação, possibilitando a coleta de dados cruciais para o desenvolvimento de um negócio.

Essas técnicas tratam principalmente de estatísticas descritivas, que ‘perguntam’ o que aconteceu, e as ferramentas são relatórios e painéis, sendo suportados por uma infraestrutura de dados.

Em poucas palavras, permite que uma empresa monitore o desempenho das operações comerciais, do relacionamento com o público dentre outras informações pertinentes para tornar a empresa mais competitiva.

A definição é semelhante para inteligência de marketing, mas aplicada dentro dos limites das iniciativas de marketing:

  • Campanhas;
  • Concorrência;
  • Preços;
  • Produtos.

Como o SQL é tão importante, conhecê-lo é valioso para qualquer pessoa envolvida em programação de computadores ou que use bancos de dados para coletar e organizar informações relevantes a partir de cabeamento estruturado e que podem ser utilizadas no marketing digital.

Clique e saiba mais +

O que é e como aplicar o SQL?

O SQL pode ser usado para compartilhar e gerenciar dados, principalmente aqueles encontrados em sistemas de gerenciamento de banco de dados relacional, que incluem informações organizadas em tabelas de interações e dados de clientes, por exemplo.

Vários arquivos, cada um contendo tabelas de dados, também podem ser relacionados por um campo comum. 

Usando SQL, é possível consultar, atualizar e reorganizar dados, bem como criar e modificar o esquema.

Ou seja, toda a estrutura de um sistema de banco de dados e controle do acesso às informações sobre diversas análises já feitas, como um estudo de impacto ambiental disponível. Isso porque diferentes órgãos são responsáveis por promover novos estudos e criar novos bancos.

Muitas informações podem ser compiladas em uma planilha digital, mas o SQL destina-se a compilar e gerenciar dados em volumes muito maiores, possibilitando um melhor tratamento e uso dessas informações.

Enquanto as planilhas podem se tornar complicadas com muitas informações, os bancos de dados SQL podem lidar com milhões, ou mesmo bilhões, de células de dados sem perder a qualidade e facilidade de utilização.

Por conta disso, usando o SQL, pode-se armazenar dados de todos os clientes com os quais uma agência de publicidade já trabalhou, desde contatos importantes até detalhes sobre vendas. 

Uso SQL no marketing digital

O SQL desempenha um papel importante no campo do marketing digital, especialmente quando se trata de e-commerce e coleta de dados para o relacionamento com o cliente.

Como os dados são um requisito importante para executar campanhas de marketing digital eficazes, o SQL ajuda os analistas que trabalham nessa área, assim como analistas da web, a entenderem e trabalharem os dados dos usuários. 

Uma das análises mais comuns no e-commerce é quem são os principais clientes, separando o perfil daqueles acessos que podem ser descartados. 

Os analistas de marketing digital de aparelho de endoscopia, por exemplo, podem utilizar essa ferramenta para realizar uma análise de sua audiência com muita facilidade, usando consultas SQL, sem precisar de ajuda do pessoal de TI (Tecnologia da Informação).

O SQL também é usado para acessar dados detalhados do usuário do banco de dados de uma empresa, executar consultas avançadas nos dados do Google Analytics para gerenciar o marketing digital, entre outras funcionalidades.

Por exemplo, é possível unir diferentes tabelas do Google Analytics para criar relatórios mais detalhados e que não são possíveis na interface da própria ferramenta digital. 

A interface padrão do Google Analytics permite que o profissional responsável use dimensões primárias e secundárias para criar segmentos, por exemplo, observando várias sessões por origem ou mídia e agrupamento de canais padrão. 

No entanto, se possui conhecimento de SQL, o profissional pode segmentar ainda mais os dados, bastando adicionar uma terceira e uma quarta dimensão, como localização e tipo de dispositivo utilizado para pesquisar sobre guilhotina industrial em oferta dentro de um e-commerce.

Com isso, as ações se tornam ainda mais efetivas e qualificadas, avaliando os resultados de forma mais precisa.

Por fim, a ferramenta também permite adicionar filtros avançados, como separar apenas os 10% dos usuários mais ativos, os consumidores que fizeram compras nos últimos 6 meses, e assim por diante. 

Desempenho de negócios e armazenamento de dados

Todas as empresas têm objetivos ou metas a serem alcançadas e, geralmente, são suplantadas por departamentos ou linhas de negócios. 

Permitir que esses departamentos monitorem o quão perto estão das metas requer um conjunto de métricas conhecidas como KPIs (Key Performance Indicator), os indicadores-chave de desempenho. 

Esses KPIs geralmente são acessíveis por meio de uma interface de relatório intuitiva, que pode - inclusive - ser construída a partir da linguagem SQL.

Já os relatórios de desempenho são alimentados por um conjunto de tecnologias operando em segundo plano, que fazem parte de um ecossistema de inteligência de negócios e que capturam as informações e as disponibilizam em formatos pré-definidos. 

Uma dessas tecnologias que otimiza o processo é o data warehouse corporativo. 

O data warehouse é uma infraestrutura de armazenamento centralizada que agrupa todos os dados corporativos, podendo contar com várias fontes de origem.

Tradicionalmente, esses dados vêm de sistemas transacionais, como transações de vendas, transações de clientes, operações comerciais e finalização de compra, tudo isso relacionado à jornada do cliente.

Após a coleta, a data warehouse geralmente refletirá fatos importantes sobre os principais processos, como: 

  • Abertura de conta;
  • Assinatura de serviço ou plano;
  • Atendimento de pedidos;
  • Compra de um item;
  • Envio de problemas ou tickets.

Em algumas organizações, os subconjuntos do data warehouse corporativo são criados para serem adaptados a um departamento de licenciamento ambiental, por exemplo, ou unidade de negócios específico, em que essas entidades são identificadas como data marts e atuam nas informações colhidas.

Os departamentos de marketing e, em particular o digital, têm necessidades específicas quando se trata de dados e métricas de desempenho. Eles precisam de ferramentas que possam responder a essas necessidades específicas.

Desempenho de marketing para promoção e vendas

O departamento de marketing ajuda uma empresa a promover a marca e vender os produtos ou serviços a clientes. Sendo assim, ela contribui diretamente para os resultados finais do negócio.

O desempenho do marketing está alinhado com o desempenho do negócio para ter o máximo impacto nos resultados da empresa e, como outros departamentos, tem metas a serem alcançadas mensalmente, trimestralmente e anualmente. 

Por isso ele precisa de ferramentas para monitorar o desempenho, geralmente em termos de ROAS (Return On Ad Spend), o retorno sobre gastos com anúncios; ou ainda o ROI (Return Over Investment), o retorno sobre investimento.

O conjunto de tecnologias utilizadas na esfera do marketing para monitorar o desempenho de venda é classificado como sistemas de inteligência de marketing ou plataformas de análise de marketing.

Assim, o sistema pode ser aplicado para mensurar diferentes resultados e nos mais diversos segmentos, como a saída de filtro jacuzzi, por exemplo, ou mesmo o potencial de conversão de uma ação para materiais de automação residencial.

A explosão do marketing digital a partir dos anos 2000 criou muitas fontes de dados para monitorar e garantir que todo o investimento em marketing esteja trazendo o tipo de retorno que a empresa espera. 

Para resolver esse problema, muitos fornecedores lançaram soluções de data warehouse baseadas em nuvem e conectores de dados, e assim facilitar a vida de profissionais de marketing e analistas de negócios.

Muitas organizações começaram a perceber o valor ao unificar um enorme volume de dados de marketing em um só lugar e utilizando a linguagem SQL para criar estratégias mais qualificadas.

Em outras palavras, um data warehouse de marketing é um cloud computing, ou computação em nuvem, que permite armazenar um grande volume de dados granulares provenientes de várias fontes de dados de marketing, como:

  • Análise da web;
  • Análise móvel;
  • Dados de CRM;
  • Plataforma de anúncios.

Isso proporciona uma visão abrangente do desempenho de marketing.

Armazenamento de dados com cloud computing

Uma empresa também pode armazenar dados estruturados brutos em um data lake como parte de uma base de preparação para o data warehouse, que é um cenário cada vez mais popular.

Isso se deve, em parte, ao baixo custo de armazenamento em um lago digital. Além disso, a empresa acomoda vários e diversos cenários de relatórios usando os mesmos dados brutos durante a fase de preparo, do lago ao armazém. 

O verdadeiro poder desses data warehouses de marketing está na capacidade de compartilhar os dados em sua organização usando qualquer tipo de interface de relatório ou painel SQL para consumidores de dados mais avançados, como analistas e cientistas de dados.

Com isso, o data warehouse de marketing pode ser tratado como um data mart de marketing dentro do ecossistema de cloud computing empresarial. 

Para garantir a consistência dos dados, é muito importante ter um forte plano de governança de dados em vigor.

Isso permite que todo o data warehouse de marketing se torne uma parte integrada do ecossistema de inteligência de negócios, e não apenas outro armazenamento de dados em um silo, promovendo também um melhor gerenciamento e proteção dessas informações.

Conclusão

O poder dos funis e caminhos de armazenamento promove uma expansão abrangente quanto à aplicação do SQL no marketing digital, principalmente.

As informações obtidas em um funil podem iniciar uma cadeia de perguntas, revelando insights acionáveis ​​para um produto ou um serviço de conserto de Iphone feito em uma assistência técnica dedicada, por exemplo.

Os dados são a melhor ferramenta para entender os clientes de uma empresa e promover experiências mais otimizadas.

O mercado consumidor se move mais rápido do que nunca; as estratégias de marketing são atualizadas diariamente e novos recursos são lançados semanalmente.

Confiar no SQL e nos engenheiros de dados permite a acessibilidade dos dados, adequação a essas mudanças, agiliza a velocidade das equipes e promove os lançamentos de produtos e serviços cada vez mais alinhados a toda a estrutura organizacional de uma empresa.Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Business Connection, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Especialista em Marketing Digital

Marketing digital são ações de comunicação que as empresas podem utilizar por meio da internet, da telefonia celular e outros meios digitais, para assim divulgar e comercializar seus produtos ou serviços, conquistando novos clientes e melhorando a sua rede de relacionamentos.

Separamos especialmente para você

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

catorze − um =

Go up